A cada ano, os brasileiros consomem mais medicamentos e boa parte desse número não segue qualquer receita médica ou orientação profissional. Essa conduta pode acarretar sérios problemas, incluindo o vício em remédio.

Sim, muitas dessas substâncias vendidas facilmente nas farmácias de sua rua ou seu bairro causam dependência química. Logo, o que inicialmente parecia ser a solução para o seu problema de saúde, pode se tornar um grande dilema e gerar transtornos.

Você se automedica ou considera exagerado o uso de certo medicamento? Se a resposta for sim, veja neste post o que é vício em remédios, como identificá-lo e tratá-lo!

Afinal, o que é ter vício em remédio?

O vício em remédio não se diferencia muito da dependência por uma droga ilícita. Ou seja, sempre que o usuário encontra-se em determinada situação fora de seu controle emocional, vai buscar uma saída com a substância que oferece uma sensação de alívio.

Porém, o risco está exatamente aí. Por exemplo, se você é uma pessoa muito ansiosa, evidentemente um calmante trará uma percepção de alívio e de relaxamento nos momentos de crise. No entanto, quando isso se torna uma rotina, vira um problema.

Vale destacar que muitos remédios não curam, apenas controlam, momentaneamente, a situação de crise ou agravamento de determinado sintoma. Ou seja, na prática, você estará apenas consumindo mais dessas substâncias sem seguir um tratamento adequado e realmente eficiente. Assim, desenvolverá dependência química, ficando refém do remédio.

Como identificar o vício em medicamentos?

A dependência por medicamentos pode se demonstrar de diferentes formas no indivíduo, sempre levando em consideração fatores como o histórico de saúde, o tipo e a dosagem do remédio, a frequência e o tempo de consumo e, ainda, a associação a outras substâncias.

No entanto, de forma geral, podemos destacar algumas características muito comuns em pessoas com vício em remédio. São elas:

  • consumo do medicamento sem regras de horários, doses ou orientação médica;
  • compra descontrolada de remédios a todo tempo;
  • aumento constante das doses;
  • medo de ficar doente;
  • automedicação em caso de qualquer sintoma diferente;
  • mudança de comportamento, como ansiedade, agitação, inquietação, cansaço, fadiga etc.;
  • sinais de abstinência por falta do remédio.

Como tratar a dependência de remédios?

Assim como qualquer outra droga que causa dependência, o vício em remédio precisa ser tratado o quanto antes. Porém, por se referir a substâncias legalizadas e de fácil acesso, os desafios são maiores. Muitas vezes, o usuário só vai se conscientizar do problema já muito tarde.

Logo, o papel da família é muito importante. Ao notar o uso exagerado de qualquer medicamento, especialmente em casos de estimulantes ou calmantes (considerados os principais vilões), é preciso procurar uma orientação profissional de imediato.

As clínicas de reabilitação contam com tratamentos específicos, desde terapias até internações para casos graves. Elas trabalham com metodologias altamente eficientes para cuidar do dependente e ajudá-lo a se livrar do vício.

O vício em remédio é uma realidade que atinge muitas pessoas no mundo inteiro. Aliás, o estilo de vida das sociedades tem incentivado, cada vez mais, o aumento do consumo de medicamentos. Por isso, busque sempre se informar e jamais se automedique. Em casos de descontrole e dependência, não hesite em procurar um suporte profissional.

Gostou deste conteúdo? Então, aproveite a visita ao blog e entenda melhor o que é e como funciona a abstinência das drogas nas pessoas!

Vício em remédio

Um comentário sobre “Vício em remédio: veja por que é tão perigoso quanto vício em drogas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *