Existem diversos estudos que mostram a relação entre TDAH e uso de drogas ilícitas. Uma delas foi realizada pelo Centro de Pesquisas em Álcool e Drogas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que concluiu que os jovens com esse transtorno são mais suscetíveis a dependência química.

Esse problema de saúde pública tem diversas origens e causas, mas sabe-se que vários transtornos psiquiátricos podem ser fatores propensos ao uso de entorpecentes. Sendo assim, continue a leitura para compreender melhor essa relação. Vamos lá?

Entenda o transtorno de TDAH e suas características

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) tem causas genéticas, ambientais e biológicas que se manifestam na infância e prosseguem na vida adulta, dificultando o desempenho familiar, profissional e afetivo da pessoa.

Ele é caraterizado por uma disfunção no córtex pré-frontal, área responsável pela tomada de decisão, planejamento de ações e controle das emoções. O transtorno também é conhecido como Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA) e atinge 3% da população mundial, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Seus sintomas são percebidos quando a criança começa a frequentar a escola, pois ela sente dificuldades de raciocínio e ao interagir com os colegas, apresentando desatenção, impulsividade, inquietude motora e desorganização. A criança também não consegue se planejar e se mostra hiperativa.

Conheça os prejuízos da TDAH e uso de drogas

O consumo de drogas ilícitas por parte dos portadores de TDAH, como a cocaína e o crack, podem agravar a doença e aumentar as dificuldades causadas por ela. Ela pode provocar, por exemplo, um descontrole sobre os comportamentos impulsivos — inclusive quanto à autoadministração da própria droga —, levando a pessoa à overdose.

Isso também aumenta a impulsividade motora e cognitiva, criando um sistema de recompensa/motivação, ou seja, a pessoa busca uma recompensa instantânea para adiar tarefas não prazerosas. Com isso, há um maior número de recaídas pela droga e uma menor adesão ao tratamento.

Saiba por que indivíduos com TDAH têm predisposição à dependência química

Como o ser humano enfrenta diversas ordens de dificuldades, muitas vezes não consegue lidar com as situações do dia a dia. Logo, busca mecanismos de forma ilusória, por meio das drogas, para várias finalidades. Confira!

Controlar a ansiedade

Substâncias químicas como maconha, álcool e analgésicos, por serem relaxantes, fazem com que a pessoa com TDAH sinta-se menos ansiosa e mais tranquila para ordenar os pensamentos. Já a cocaína e o crack ativam a concentração e a organização.

Melhorar a autoestima

Por se sentirem alheias à sociedade e a si próprias, as pessoas buscam na droga a autoestima perdida, sua paz interior e a autoaceitação. Outro motivo é que o indivíduo precisa suportar constantemente o fracasso, assim como críticas quanto à sua capacidade e inteligência.

Sentir-se aceito

Uma faixa etária muito vulnerável é a adolescência, já que a pessoa passa por mudanças físicas e de construção de personalidade e identidade, geralmente sentindo que não se identifica com sua família. Isso faz com que ela procure outros grupos sociais, que podem influenciar seu comportamento e suas atitudes para que seja aceita por eles.

Portanto, unir TDAH e uso de drogas não é indicado, pois é algo bastante perigoso. Como efeito temos o agravamento do transtorno e, dependendo da situação, isso pode colocar o indivíduo em risco. Sendo assim, seu tratamento precisa ser baseado em psicoeducação, psicoterapia e medicação para se manter longe da dependência química.

Se você acha que este artigo foi esclarecedor para você, curta a nossa página no Facebook e continue a acompanhar as novidades de nossa página!

tdah e uso de drogas

Um comentário sobre “TDAH e uso de drogas: quais as consequências dessa relação?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *