O consumo de drogas tornou-se um problema de saúde pública mundial, e não afeta somente o usuário, mas a família, os amigos e, dependendo do caso, a sociedade. Por provocar um grande malefício no organismo, a reabilitação de dependentes químicos se faz necessária, a fim de devolver a essas pessoas uma vida saudável.

Independentemente de classe social, profissão, gênero e convicções, a dependência pode atingir qualquer pessoa e superá-la não é fácil. Muitas vezes, requer ajuda de profissionais da área da saúde e, até mesmo, internação sem o consentimento do usuário, nos casos em que é necessário preservar a vida dele.

Para o sucesso do tratamento, a reabilitação de dependentes químicos precisa seguir algumas etapas. É o que você verá no decorrer deste artigo. Acompanhe!

Qual o objetivo da reabilitação de dependentes químicos?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a dependência química afeta o usuário e o meio em que ele vive. Suas motivações são várias, logo, diversos aspectos precisam ser levados em consideração para elaborar um tratamento de saúde adequado.

Geralmente, o primeiro passo é realizar um diagnóstico psicológico, desde que se tenha um grande conhecimento da área. Depois, é necessário realizar uma análise biológica e química para saber os prejuízos que as drogas provocaram no corpo do dependente.

Assim, dependendo do caso, é indicado uma internação para que seja realizada a desintoxicação aguda ou crônica. Com isso, a pessoa vai retomando sua vida de maneira saudável, com o apoio de uma equipe multidisciplinar que atua com enfoque na reinserção do dependente químico na sociedade.

Porém, até chegar nesse estágio, o usuário muitas vezes se coloca em perigo ou arrisca a vida de outras pessoas. Veja, abaixo, o que pode acontecer:

  • risco de suicídio ou homicídio;
  • não mantém abstinência durante o tratamento ambulatorial;
  • complicações de saúde, como problemas cardíacos, derrames etc.;
  • crises de abstinência forte;
  • surtos psicóticos;
  • risco de overdoses por acidente ou na tentativa de suicídio.

O usuário de drogas necessita de um ambiente estruturado para transformar os seus hábitos e se sentir mais fortalecido. Dessa forma, a reabilitação de dependentes químicos proporcionará resultados efetivos, ajudando-o a reconstruir sua vida, ter dignidade e respeito e recuperar o amor-próprio.

Quais são os tipos de internação?

Existem três tipos de internação: a voluntária, a involuntária e a compulsória. Abaixo, explicaremos como funciona cada uma delas. Confira!

Internação voluntária

Na internação voluntária, o dependente químico aceita o tratamento. Desse modo, assina um documento declarando que deseja ser assistido. Além disso, antes de iniciarem os procedimentos, é preciso a autorização de um médico credenciado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado em que ele vive. Dentro dessa modalidade, para obter alta, o paciente deverá fazer a solicitação ou o médico determinar.

Internação involuntária

Já a internação involuntária ocorre devido à intervenção de outra pessoa. Sendo assim, o consentimento do paciente não é necessário. Ela deve ser solicitada quando o usuário coloca em risco a sua saúde e a de pessoas de seu convívio.

No entanto, o procedimento precisa ser autorizado por um médico credenciado. Ele comunicará ao Ministério Público Estadual em qual instituição o usuário será internado. Esse aviso deve ser feito na entrada e na saída do dependente na clínica de recuperação. Porém, a alta é dada a pedido do responsável legal do paciente ou pelo médico.

Internação compulsória

Por sua vez, a internação compulsória requer uma ordem judicial. Essa é a última opção para o tratamento do dependente químico, não sendo preciso a presença de nenhum familiar para se responsabilizar por ele.

Tal decisão é tomada com base em laudos médicos atestando que o paciente traz risco a si e as outras pessoas. Nesse documento, é preciso constar que foram tentadas outras alternativas de tratamento, contudo, não surtiram efeito.

Da mesma maneira, o paciente só deve receber alta mediante ordem judicial. É preciso, também, laudo médico com informações a respeito do processo de recuperação e recomendando a reinserção social.

Quais são as fases da reabilitação?

Cada uma das etapas de reabilitação de dependentes químicos é relevante, porém, alguns momentos requerem mais atenção porque são primordiais para o sucesso de todo o processo. Conheça, a seguir, quais são eles!

Uso de medicações

As pessoas são diferentes umas das outras, logo, as medicações precisam ser personalizadas, e o acompanhamento feito 24 horas por dia. Em hipótese algum, o usuário pode se tornar dependente dos remédios. Durante o processo de desintoxicação, é preciso ressaltar que o organismo tem necessidade de qualquer tipo de droga.

Nessa fase, devemos controlar complicações e a síndrome de abstinência. Outro fator importante diz respeito à prescrição de substâncias complementares para aliviar dores e mal-estar e auxiliar no controle das emoções, por exemplo. Conforme a ingestão de drogas diminui, são usados ansiolíticos e antidepressivos para ajudar no fortalecimento emocional.

Apoio psicológico

A assistência psicológica e psiquiatra é imprescindível, pois os profissionais do ramo auxiliarão nos distúrbios emocionais provocados pela abstinência, como ansiedade e depressão. Logo, o usuário, por meio de terapias, conseguirá superar essa fase tão difícil do processo de reabilitação de dependentes químicos.

Incentivo à mudança de hábitos

Depois de passado o tratamento de desintoxicação, psiquiátrico e psicológico, é o momento de trabalhar as mudanças de hábito do paciente com metas a serem atingidas. É fundamental evitar qualquer contato com pessoas que faziam parte do seu círculo de drogas ou situações deflagradoras de uma recaída.

Faz parte do tratamento o restabelecimento do convívio familiar. Logo, a família recebe orientação dos profissionais que cuidam do paciente. Entre elas, a ausência em lugares nos quais possam haver o consumo de entorpecentes e a proibição do uso de bebidas alcoólicas, pois a substância debilita as faculdades mentais, atrapalhando o processo de desintoxicação e resultando em reincidência.

Nessa etapa, é essencial manter o diálogo com o paciente, usando a franqueza e estimulando a sua continuidade no tratamento. Os profissionais incumbidos de auxiliar na recuperação devem alertar o ex-usuário a se distanciar das drogas, mostrando o quanto isso trará novos significados para a sua vida.

Acompanhamento por uma equipe multidisciplinar

Entende-se por equipe multidisciplinar os profissionais de saúde dos setores de psicologia, enfermagem, serviço social, fisioterapia, nutrição, fonoaudiologia, terapia ocupacional, entre outros. Uma vez que o dependente receba deles os cuidados e o monitoramento constante, será possível estabelecer mudanças profundas em sua vida.

Agora, sim, você sabe como ocorre a reabilitação de dependentes químicos. Lembre-se de que todas as etapas devem ser respeitadas para que se obtenha a plena recuperação do paciente. Assim, as chances de recaída serão muito baixas, e ele voltará a viver como antes.

Acha este assunto importante? Então, que tal compartilhar o artigo em suas redes sociais para que outras pessoas fiquem bem informadas? Faça isso já!

Nosso Site: 

Nosso Face: 

Telefone 24 horas: (11) 96474-1518

4 respostas a “Como ocorre a reabilitação de dependentes químicos?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *