Muitas famílias sofrem com um mesmo dilema envolvendo drogas: o de não saber como ajudar um dependente químico que não quer ajuda. Afinal, em diversos casos, mesmo que o usuário tenha consciência de que suas ações fazem mal, há uma série de fatores e barreiras que o impedem de buscar apoio ou até mesmo de compreender a importância de um tratamento especial.

Então, como agir nesses casos? O que pode ser feito e evitado para tentar salvar a vida do ente querido? Quais os riscos de não apoiar ou desistir da situação? Todas essas questões passam pela cabeça das famílias que vivem esse cenário complicado.

Pensando nisso, elaboramos este artigo para explicar o que leva um usuário de drogas a recusar auxílio e oferecer orientações de como ajudar um dependente químico que não quer ajuda. Acompanhe!

O que faz um dependente químico recusar ajuda?

Para entender os principais motivos da recusa, é imprescindível compreender que, antes de tudo, a dependência química é uma doença. Portanto, deve ser tratada de forma adequada e com total consciência de todos os envolvidos.

Sabendo disso, podemos elencar alguns possíveis fatores que motivam o usuário a recusar ou fugir das tentativas de apoio à sua saúde. São eles!

Inconsciência

Dependendo do nível da dependência química e dos efeitos que os entorpecentes ocasionam ao organismo do usuário, é comum que ele perca suas orientações e se torne inconsciente de seus atos em diversos momentos.

Nesses casos, é quase impossível vencer no diálogo e convencer o dependente a buscar suporte voluntariamente. Para situações desse tipo, é preciso contar com a paciência, o apoio familiar, os psiquiatras e psicólogos especializados e, em último caso, recorrer a uma internação compulsória.

Vergonha e preconceito

É normal que o dependente químico tenha dificuldade de conversar e expor as suas dores até mesmo para os seus familiares. Muitas vezes, isso está atrelado ao sentimento de vergonha e ao preconceito que existe com quem é usuário de drogas. Por isso, a pessoa tende a se isolar e evitar o contato pessoal, o que pode agravar a situação.

Sendo assim, reforçamos a importância do apoio familiar e, principalmente, da compreensão de todos. Vale ressaltar que os aspectos psicológicos e emocionais do dependente ficam fragilizados, logo, agir com deboche e brincadeiras só vai piorar o quadro.

Medo

Infelizmente, ainda é muito comum que familiares ajam de forma impensada e sem consciência em relação aos parentes em situação de dependência química. O fato é que violência, grosseria e terror só aumentam a tensão e podem prejudicar a situação.

Certamente, você não agiria dessa forma se a pessoa apresentasse qualquer outro tipo de doença, concorda? Então, por que acreditar que com a dependência química isso resolveria alguma coisa?

Jamais pressione, culpe, agrida ou penalize o dependente por essa situação. Você vai contribuir muito mais ao compreender o cenário e buscar alternativas mais eficientes e inteligentes para livrá-lo do mundo das drogas.

Como ajudar um dependente químico que não quer ajuda?

Se você já sabe que algum parente é dependente químico e vê o seu quadro piorar a cada dia, é fundamental agir o quanto antes. Porém, é preciso muita cautela e compreensão nesse momento. Não pense que vai convencê-lo de primeira e nem que a “luta” será fácil.

Lembre-se de que a consciência e a compaixão são as suas principais “armas” e devem ser utilizadas de forma adequada e nos momentos certos. Para ajudar você nesse momento tão delicado, separamos alguns conselhos úteis.

Confira, a seguir, as nossas dicas de como ajudar um dependente químico que não quer ajuda e preserve a vida de quem você mais ama!

Use palavras de apoio

A primeira estratégia para ajudar o dependente químico está atrelada à abordagem que você faz. Jamais o culpe por aquela situação ou desmereça a pessoa por se encontrar num quadro tão triste e delicado.

Pelo contrário. Suas palavras precisam reconfortar, incentivar, dar forças, motivar e fazer com que o usuário veja uma luz no fim do túnel, junto com quem realmente o ama.

Para isso, elogie a pessoa sempre que merecer, mantenha uma energia positiva na casa, relembre histórias agradáveis, planeje coisas futuras, mostre notícias boas e cite exemplos de sucesso, sempre de forma natural, para não parecer uma cobrança ou que você a está pressionando.

Tente conversar

O diálogo é uma das ferramentas mais importantes de ajuda para dependentes químicos, e o papel da família é fundamental nessa hora. Como dica, incentive a aproximação do dependente em momentos essenciais da casa, como o almoço, o jantar e programas para o fim de semana.

Sente-se junto e puxe assuntos agradáveis sem pressionar a pessoa a se explicar ou dar alguma satisfação. Ao tornar isso uma rotina, naturalmente as portas se abrirão para vocês falarem mais a fundo dos problemas pessoais e das drogas. Dê tempo para o seu ente querido se sentir mais à vontade e perceber que alguém se preocupa com a situação dele.

Informe-se constantemente

Buscar informações sobre casos semelhantes é sempre uma boa estratégia para ajudar dependentes químicos que não querem ajuda. Para isso, procure por blogs, sites, grupos e clínicas especializadas no tratamento de dependência química.

Tire suas dúvidas, troque conselhos e busque apoio de outras pessoas que já passaram ou estão encarando situações semelhantes em suas famílias. Por fim, participe de seminários, palestras e grupos de apoio para trocar informações e somar novas estratégias para essa difícil luta contra as drogas.

Busque por suporte profissional

Ajudar um dependente químico que não quer ajuda não é uma tarefa fácil. Em alguns casos, fazer isso por conta própria pode desgastar e não render bons resultados. Para isso, existem as clínicas de reabilitação, que contam com profissionais altamente capacitados e experientes, além de uma infraestrutura totalmente preparada para cuidar de pessoas nos mais diversos estágios.

A internação em uma instituição desse tipo é a estratégia que costuma ser mais eficaz para salvar a vida do ente querido. Afinal, nesses espaços é realizado um trabalho para o controle do vício, permitindo a ressocialização da pessoa e o reinício de uma vida normal e produtiva.

E então, o que achou das nossas dicas de como ajudar um dependente químico que não quer ajuda? Sem dúvida, elas são eficazes para proporcionar uma qualidade de vida melhor ao usuário e a toda a família. O mais importante é compreender o seu papel como principal porto seguro para esse ente querido que, embora negue auxílio em um primeiro momento, precisa sim de você.

Tem algum caso próximo e precisa de ajuda urgente? Se a resposta for sim, entre em contato com a Clínica Êxodos! Nossos especialistas estão preparados para orientar você e oferecer ao seu ente o melhor tratamento para se livrar das drogas.

Para maiores informações de como ajudar um dependente químico que não quer ajuda ligue 11-964741518

Nosso face:

como ajudar um dependente químico que não quer ajuda

Um comentário sobre “Veja agora como ajudar um dependente químico que não quer ajuda”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *